3 - Aníbal anuncia a sua Primavera


Num dia luminoso como o de hoje, sente-se o pulsar da vida que de todos os lados da Quinta parece querer florir. No caminho que Gabriel trilha, flores e pássaros misturam-se numa combinação vibrante. Até Aníbal, que em tempos viveu numa gaiola, não se cansa de aparecer para cantar em liberdade a sua primavera. “Sou livre que nem um passarinho”, a todos quer anunciar esta imensa alegria, mas o seu chilrear que não é tão sonoro a ponto de se impor, acaba por se fundir nos outros sons que pairam no ar. Só Gabriel com a sua extrema sensibilidade consegue distingui-lo, percebendo assim que não há cegueira que o prive de ver tudo naquele lugar que, como nenhum outro, é o seu mundo.