6 ~ Ataíde na Biblioteca do pai


Em casa, habituou-se desde cedo a ouvir o pai falar das rotas do oriente, de lá para a África onde se iam buscar escravos, e dali para o Brasil.

Nessas narrativas, que eram frequentes à mesa, mais do que saber a origem do ouro que permitia a opulência em que se vivia em pleno reinado de D. João V, interessava a Ataíde ouvir as estórias sobre um pedaço de mundo descoberto por Pedro Álvares Cabral três séculos antes. Desde sempre, procurou na biblioteca da casa livros de viagens, deleitando-se a observar as gravuras minuciosas de realidades para ele absolutamente desconhecidas. Com curiosidade admirava os desenhos de homens com ar selvagem a que chamavam nativos, de árvores e vegetação que não encontrava nem no jardim nem no bosque da casa, e de aves tão ou mais exóticas que o pavão da Quinta. De todos os seres que via retratados, só não eram novidade para ele os papagaios e as palmeiras que junto do muro da Quinta, se estendiam pela ravina até à praia.



« Episódio anterior ~ Episódio seguinte » | ver ÍNDICE



6 ~ Ataíde in his father’s Library

With curiosity he admired the drawings of men with a wild look which they used to call natives, of trees and vegetation that he found neither in the garden nor in the woods of the house, and of birds as or more exotic than the peacock in the Farm