Esta exposição reúne trabalhos em Azulejo e Cerâmica de autores contemporâneos, representados na colecção do Museu Nacional do Azulejo, permitindo documentar, de forma breve, algumas das vias de afirmação destas disciplinas em Portugal, nas duas últimas décadas do século XX.

Usado no nosso país sem interrupção ao longo de cinco séculos, o Azulejo, teve entre 1980 e 2000, a sua linguagem actualizada, desde logo por autores que vinham a produzir desde a década de 1950, assegurando a continuidade até à contemporaneidade, como sejam Manuel Cargaleiro (n. 1927), Querubim Lapa (n. 1925), Rogério Ribeiro (1930-2008), ou Cecília de Sousa (n. 1937).

Nos últimos anos tem emergido, com assinalável presença em espaços públicos, o trabalho de artistas plásticos para quem o Azulejo não é disciplina central, mas que encontram nas tipologias e técnicas específicas deste suporte o veículo de afirmação de poéticas próprias.
A partir da década de 1980, coube ao Metropolitano de Lisboa, efectuar uma série de encomendas que permitiram revitalizar esta presença pública, reforçada no final da década de 1990 pelas encomendas para a Expo’ 98, actual Parque das Nações, possibilitando novos olhares que garantiram uma renovação de imaginários.

Já a criação de objectos cerâmicos surge em Portugal, neste período, em consonância com o entendimento internacional desta disciplina enquanto expressão artística.
Na sequência de estéticas afirmadas na década de 1970, a cerâmica afastou-se cada vez mais da sua função utilitária, apontando decisivamente para a sua vocação poética, em peças que exploram as possibilidades plásticas de diferentes técnicas e matérias.

Artistas representados:

Alda Nobre
Armando Correia
Armando José
Arnold Zimmermann
Bela Silva
Cecília de Sousa
Eduardo Nery
Heitor Figueiredo
Ilda Bragança
Ilda David
Ivan Chermayeff
Jorge Martins
Júlio Pomar
Lourdes Castro
Luís Camacho
Manuel Cargaleiro
Mário Castanheira
Maria José Oliveira
Menez
Paulo Óscar
Querubim Lapa
Rogério Ribeiro