No âmbito do Festival de Cultura Portuguesa na China, a exposição “O País das Cidades Vidradas. 500 anos do Azulejo em Portugal” integra 60 obras do acervo do Museu Nacional do Azulejo que visam apresentar um panorama daquela que pode ser considerada uma Arte identitária de Portugal e da cultura portuguesa, o Azulejo.
A mostra inicia-se com alguns dos primeiros exemplares que no século XVI vieram decorar espaços palacianos e religiosos no nosso país, para terminar com obras dos mais destacados autores contemporâneos.
Apresentam-se também azulejos produzidos em Portugal entre os séculos XVII e XX, quer figurativos, quer de padrão, tanto para o revestimento de interiores como de fachadas, pretendendo transmitir as características axiais do uso do azulejo entre nós e a ideia de que em Portugal o azulejo está em toda a parte.
A longevidade da sua utilização é também uma característica distintiva, e daí apresentarem-se azulejos utilizados há mais de quinhentos anos e outros que se contam entre as criações mais recentes.
Por último, com a presente exposição, pretende-se que fique bem patente o valor do azulejo enquanto suporte para as mais variadas narrativas e decorações, as quais permitiram, ao longo do tempo, que este fosse um lugar privilegiado para o encontro das mais diversas culturas e civilizações.