O seu navegador necessita de suporte Javascript para esta funcionalidade. <h5><h3><h4>Museu Nacional do Azulejo (National Tile Museum)<br />Rua da Madre de Deus, nº 4 | 1900-312 Lisboa<br />Telf: (+351) 218 100 340    <br />e-mail: <a href="mailto:geral@mnazulejo.dgpc.pt">geral@mnazulejo.dgpc.pt</a>   <br /><br /><a href="https://www.facebook.com/pages/Museu-Nacional-do-Azulejo/179906992042145" target="_blank"><img width="284" height="287" style="WIDTH: 33px; HEIGHT: 36px" border="0" src="/Data/ContentImages/fb_icon_325x325.jpg" /></a></h4></h3></h5> - INVESTIGAÇÃO
11 de Agosto de 2020
Utilize as teclas de atalho Alt+2 para navegar para a área de pesquisa do sítio web.
Utilize as teclas de atalho Alt+1 para navegar para a área de conteúdos do sítio web.

INVESTIGAÇÃO

O departamento de Investigação e Documentação recolhe e trata informação sobre Azulejo e Faiança, com especial atenção à de produção e uso em Portugal, com o objectivo de desenvolver o conhecimento necessário à correcta classificação dos patrimónios e à sua divulgação em exposição permanente, exposições temporárias, catálogos e outras publicações.


Para o efeito, tem-se procedido ao registo documental de conjuntos azulejares in situ, de azulejo e de outras produções cerâmicas existentes em colecções públicas e privadas, e à pesquisa de fundos arquivísticos e espólios documentais relacionados com centros de produção, fábricas e autores de Azulejaria e Cerâmica antiga e contemporânea.
   Departamento de investigação

O grande investigador do Azulejo, João Miguel dos Santos Simões, fundador e primeiro responsável pelo Museu do Azulejo, apontou a necessidade de um Centro de Estudos de Azulejaria, apoiado por uma Biblioteca temática e com um Boletim para divulgação de trabalhos de investigação.

Em homenagem a Santos Simões foi criada, em 2006, a Rede Temática em Estudos de Azulejaria e Cerâmica João Miguel dos Santos Simões, com o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia.
A partir de 1987, a investigação tornou-se uma das prioridades do Museu, passando a ser desenvolvida de forma sustentada, com a criação da Biblioteca e Centro de Documentação, o início de projectos de investigação sobre Azulejo e a Faiança portugueses, estudos tornados públicos em exposições temporárias com os respectivos catálogos, e pela publicação da revista Azulejo, aberta a investigadores nacionais e estrangeiros.

Tem-se progredido no conhecimento nesta área, desenvolvendo projectos de investigação que cobrem estudos diversificados, temática e cronologicamente, sobre centros de produção e de direcções de gosto do Azulejo e da Faiança portugueses dos séculos XVI ao XX, a obra de autores contemporâneos, o levantamento de fontes iconográficas da azulejaria e a fixação de normas e terminologias para a Cerâmica. 


Catálogo "João Miguel dos Santos Simões"
Catálogo da exposição 
comemorativa do nascimento 
João Miguel dos Santos Simões
2007
Catálogo "Real Fábrica de Louça ao Rato"
Catálogo da exposição 
   "Cerâmica Neoclássica em 
   Portugal"
   1997

Catálogo "Cerâmica Neoclássica em Portugal"
Catálogo da exposição 
     "Real Fábrica de Louça
     ao Rato"
     2003 


Contacto:
João Pedro Monteiro
jmonteiro@mnazulejo.dgpc.pt

______________________________________________________



                                                     

                                                     SEGREDOS EM RESERVA

A coleção do Museu Nacional do Azulejo possui numerosas peças, parte delas expostas e outras em reserva, sendo estas periodicamente apresentadas em exposições, não só neste espaço, mas também noutros em Portugal e no estrangeiro. No entanto, há um grande número de painéis que ainda são desconhecidos em processo de inventariação e montagem. Este é um trabalho complicado, pois implica a abertura de um número elevado de caixotes na busca dos azulejos dispersos e, inclusivamente, a procura de fragmentos em dezenas de caixas. Para auxiliar neste trabalho árduo e complexo o MNAz tem tido o apoio de numerosos voluntários e estagiários, nacionais e estrangeiros que, ao longo dos últimos dez anos (esta iniciativa teve inicio em 2010 sob a denominação “Devolver ao olhar”), têm vindo a colaborar neste projeto.




  • Recomende este sítio web